Tudo o que você precisa saber sobre Calázio

Muitas vezes, o calázio é confundido com o terçol ou hordéolo

Calázio: o que é?

O calázio é uma pequena lesão que pode se apresentar na forma de um caroço ou um inchaço, tanto na pálpebra superior, quanto na inferior. Sua causa está associada a uma inflamação em uma das glândulas presentes na pálpebra, chamada Meibômio. Essa inflamação é resultado do entupimento desta glândula, que pode ser gerado pelo acúmulo de oleosidade no rosto ou outros fatores relacionados, como acne rosácea. A partir do momento que a secreção fica impedida de sair da glândula, ela fica endurecida e presa, gerando a elevação, que pode evoluir de tamanho.

Muitas vezes, o calázio é confundido com o terçol ou hordéolo, que é uma lesão semelhante, porém, com causa associada a infecção por bactérias.

 

Quais são os sintomas?

O principal sintoma ocasionado pelo calázio é o crescimento de um caroço na pálpebra, tanto superior como inferior. O paciente que tem calázio pode ter coceira, vermelhidão e inchaço nas pálpebras, sensação de calor na região da lesão e lacrimejamento. Apesar disso, após alguns dias, todo esse incômodo pode cessar, permanecendo apenas o caroço.

Além do calázio poder indicar um problema de visão, ele também pode influenciar o surgimento de um, pois, dependendo de seu tamanho, ele pode comprimir a córnea, alterando sua curvatura e comprometendo a visão do indivíduo, induzindo a um astigmatismo (visão embaçada).

Como prevenir?

Como o calázio tem causa relacionada à oleosidade do rosto, o ideal é lavar a face diariamente, principalmente na região dos olhos, e sempre manter as mãos limpas, evitando colocá-las em contato com os olhos. Manter a aplicação de compressas mornas também ajuda a prevenir a recorrência do calázio, pois sua umidade e calor ajudam a manter as glândulas desobstruídas para, assim, a secreção sair naturalmente, como deve acontecer.

Uma visita a um dermatologista pode auxiliar o indivíduo a encontrar produtos adequados para o seu nível de dermatite seborreica. Deve-se, ainda, evitar o contato das mãos com os olhos, porém, caso seja necessário, é essencial que elas estejam limpas, para que a doença tenha uma propensão menor de desenvolvimento.

Calázio tem cura?

Sim, calázio tem cura. Normalmente, o caroço formado tende a secar espontaneamente entre duas e oito semanas. Porém, para acelerar o processo, o paciente pode realizar alguns tratamentos com medicamentos prescritos pelo oftalmologista, ou ainda, tratar com soluções caseiras e simples, desde que recomendadas por um oftalmologista.

Quais são os tratamentos?

Para tratar o calázio, um médico oftalmologista pode receitar ao seu paciente pomadas, colírios anti-inflamatórios e remédios que devem ser tomados via oral. O médico também pode indicar um tratamento caseiro e simples que é a aplicação de compressas com água morna sobre as pálpebras afetadas, até seis vezes ao dia, durante 10 minutos, aproximadamente, até que o caroço seque. Essa ação colabora para a drenagem do calázio porque a umidade e o calor ajudam a amolecer a secreção que está endurecida. O indivíduo ainda pode massagear levemente as pálpebras, sempre com as mãos limpas, acelerando ainda mais o processo de drenagem.

Caso o calázio não corresponda bem aos tratamentos e o caroço permaneça na pálpebra do paciente, causando o desconforto sintomático e estético, a recomendação pode ser a cirurgia de calázio.

Como funciona a cirurgia?

O processo cirúrgico começa com a aplicação de anestesia local e sedação, que faz com que o paciente relaxe e adormeça levemente para não sentir o que será feito e, assim, os médicos cirurgiões retiram o nódulo por meio de uma incisão, que é feita por dentro da pálpebra e não deixa cicatriz aparente. Para finalizar, é colocado um curativo em forma de tampão.

Em geral, é uma cirurgia de calázio é rápida, com duração entre 20 e 30. Além disso, não é necessário que o paciente fique internado. Após o processo, ele deve permanecer em observação por uma ou duas horas na clínica ou hospital, mas logo é liberado para voltar para casa.

 

 

Pós-operatório e recuperação

Ao fim do processo cirúrgico, o indivíduo deve permanecer em observação na clínica ou hospital por, no mínimo, duas horas. Após esse período, se não houver nenhuma complicação, ele pode voltar para casa, porém, continuando com o repouso absoluto por dois dias. Caso o indivíduo sinta dor após a cirurgia, o seu oftalmologista pode receitar analgésicos, colírios, pomadas oftalmológicas e a aplicação de compressas frias sobre a região operada.

Na primeira semana, o paciente pode fazer algumas atividades leves, como trabalhar e estudar, porém, mantendo um repouso relativo – sempre seguindo a orientação do seu médico. Tarefas mais intensas, como a prática de esportes e atividades com água, devem ser evitadas. Além disso, todo cuidado com os olhos é pouco. Portanto, não se deve utilizar lentes de contato ou maquiagem na região operada. Durante o banho, é essencial que haja atenção para que não caia água, xampu ou sabonete nos olhos, as mãos devem estar sempre limpas e o contato delas com os olhos deve ser evitado ao máximo. Ao todo, o período de recuperação completa pode durar até quinze dias.

Onde fazer a cirurgia?

Central da Visão negociou com suas clínicas afiliadas preços mais acessíveis para a consulta e a cirurgia de calázio. 

 

 

Importante!

Esse texto busca sensibilizar os pacientes a buscarem tratamento oftalmológico. Só o médico oftalmologista é capaz de diagnosticar e indicar os tratamentos e/ou cirurgias mais indicadas. Texto revisado pela Dra.Bárbara Nazareth Parize Clemente, CRM SP: 169506, Título Especialista (RQE): 74181. Médica oftalmologista graduada pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde / PUC-SP, residência médica no Hospital de Olhos Aparecida, subespecialização pelo Instituto da Visão IPEPO.

Caso seja necessária alguma retificação desse conteúdo, por favor, ligue grátis para 0800-608-2130.

 

Copyright PagMed. Todos os direitos reservados.

Termos de Uso - Política de Privacidade

Copyright PagMed. Todos os direitos reservados.

O site da Central da Visão é de propriedade da Pagmed Meios de Pagamento Especializados e Prestação de Serviços Administrativos Ltda. registrada sob o CNPJ 25.186.815/0001-38