Pterígio: tudo o que você precisa saber

O que é pterígio?

Mais comum entre pessoas que habitam regiões de climas tropical, seco e quente, o pterígio é uma doença ocular que consiste no crescimento de uma membrana sobre a esclera, que é a parte branca do olho. Embora esse crescimento seja lento, geralmente do canto interno em direção ao centro, o pterígio pode atingir a córnea, alterando sua transparência, resultando em uma vista embaçada (leucoma), ou afetando sua curvatura, gerando dificuldade para focalizar objetos (astigmatismo).

Quais são os sintomas do pterígio?

O pterígio pode causar coceira, irritação ocular, vermelhidão, lacrimejamento, sensação de areia nos olhos, pouca tolerância à luz e ardor. Dependendo da intensidade dos sintomas, o pterígio pode ser bem incômodo. Se você tem qualquer desses sintomas agende uma consulta com o médico oftalmologista. Ele é o profissional indicado para diagnosticar e indicar o tratamento correto de pterígio.

Como a visão é afetada?

A pele formada pelo pterígio possui vasos sanguíneos, semelhante à conjuntiva, que é a membrana que cobre a esclera. Já a córnea é curva e completamente transparente, o que permite que a luz passe por ela e gere a visão. Quando o pterígio chega até a córnea, pode afetar a visão de duas maneiras:

  • Tirando a transparência da córnea, fazendo com que a visão fique embaçada, que é o caso do leucoma.
  • Modificando a curvatura da córnea, gerando a dificuldade para focalizar, que é o caso do astigmatismo.

 

Tipos de Pterígio

Os tipos de pterígio estão ligados ao seu tamanho e às suas consequências. Existem três tipos:

  • Tipo I: a membrana formada no tipo I é bem definida e cobre a córnea menos do que 2 milímetros, não apresentando risco à visão do paciente;
  • Tipo II: no tipo II a membrana já está maior e mais perceptível, cobrindo a córnea entre 2 e 4 milímetros. Este tipo pode alterar a curvatura da córnea, causando astigmatismo e reduzindo a percepção de forma e contorno dos objetos.
  • Tipo III: já no tipo III, a membrana é ainda maior e ainda mais perceptível, uma vez que avança sobre a córnea mais de 4 milímetros. Além de causar astigmatismo, pode também deixar a vista embaçada, alterando a transparência da córnea.

Além dos três tipos, o pterígio pode ser primário, que é quando o paciente tem a doença pela primeira vez, ou recidivado, que é quando o pterígio volta após a remoção cirúrgica.

Independente de primário ou recidivado, ele pode apresentar dois aspectos distintos. Um é atrófico, que não possui tantos vasos sanguíneos, permitindo que as estruturas do olho debaixo da membrana formada sejam vistas, e outro é o carnoso, que, ao contrário, é mais denso, com mais vasos sanguíneos, não permitindo que as estruturas abaixo sejam vistas.

Exames que você precisa fazer

O profissional indicado para fazer o diagnóstico e a indicação dos exames de pterígio é o oftalmologista. Confira abaixo os exames que normalmente são solicitados.

Avaliação externa: este exame é o mais básico, feito na própria consulta. Como o nome diz, consiste na avaliação externa do olho, observando fatores como vermelhidão, inchaço, mudanças na lacrimação, entre outros fatores externos.

Exame de refração: o objetivo do exame de refração é testar a acuidade visual, isto é, a capacidade da visão, e medir o grau de óculos do paciente. Para isso, dois aparelhos podem ser utilizados. Um é o autorrefrator, que calcula automaticamente o grau do paciente, e outro é o refrator, muito comum em salas de oftalmologistas. Nestes casos, o aparelho é colocado em frente ao rosto do paciente, de modo que ele veja através do aparelho, e em seguida, o oftalmologista lhe pergunta como está sua visão enquanto troca as lentes do aparelho.

Exame com lâmpada de fenda: neste tipo de exame, o paciente é submetido a uma luz brilhante no olho, que permite que o oftalmologista veja todas as estruturas de seu olho de maneira profunda e com alta resolução. Através do exame com lâmpada de fenda, é possível examinar a conjuntiva e a córnea, e assim, identificar a presença do pterígio e seu estágio, principalmente se já atinge a córnea, afetando a visão do paciente.

Em casos em que o pterígio chega à córnea, prejudicando a visão do portador da doença, a exérese de pterígio é recomendada. Ou ainda, quando a qualidade de vida é afetada pela intensa irritação (coceira, sensação de areia nos olhos) e desconforto estético (vermelhidão, que chama a atenção das pessoas ao redor).

Pterígio tem cura?

Embora a pele formada não regrida em seu crescimento, ou seja, ela não diminui, a cura é possível sim, através da exérese do pterígio, que é a sua remoção por processo cirúrgico. Além disso, há também tratamentos mais simples que aliviam os sintomas e visam evitar a progressão da pele, fazendo-a parar de crescer. 

Tratamentos

Confira como é possível tratar do pterígio se o caso não for cirúrgico:

Colírios anti-inflamatórios e lubrificantes

A utilização de colírios anti-inflamatórios pode aliviar os sintomas do pterígio, como vermelhidão, ardência, lacrimejamento, coceira, incômodo e sensação de areia nos olhos. Mas se atente às prescrições médicas! O uso inadequado de colírios, com o tempo, pode ter efeito contrário, piorando a situação ou gerando outros problemas de visão. Colírios menos agressivos e que tratam o ressecamento são os lubrificantes, também chamados de “lágrimas artificiais”.

Proteja seus olhos

A proteção dos olhos contra os fatores que causam o pterígio é fundamental. Evite permanecer em espaços abertos, onde há ampla incidência de raios solares, ventos e poluição. Utilize óculos de sol de boa qualidade e chapéus para evitar que tais fatores entrem em contato com o olho já inflamado. Principalmente para motoqueiros, é importante o uso da viseira, e para ciclistas, óculos especiais que impeçam o contato do vento com os olhos e o ressecamento.

Cirurgia de pterígio

Em casos mais avançados, em que a membrana já avançou até o centro do olho, atingindo a córnea e até mesmo a visão central do paciente, podendo comprometer a visão, deve ser feita e exérese de pterígio, ou seja, a remoção por cirurgia. Porém, são altos os índices de volta da doença. Por essa razão, tais técnicas vêm sendo estudadas e aperfeiçoadas. O método mais recente envolve a retirada do pterígio e o transplante de conjuntiva (membrana que fica sobre a parte branca do olho). Sua fixação se dá por meio de pontos ou até mesmo uma cola cirúrgica.

A cirurgia também é indicada em casos de desconforto estético, em que o paciente não se sente bem com a vermelhidão, que muitas vezes chama a atenção das demais pessoas. As cirurgias costumam ser rápidas, durando cerca de 30 minutos, e com rápida recuperação.

Recuperação e pós-operatório cirúrgico

Se você realizou a cirurgia de pterígio e está com dúvidas ou está sentido qualquer tipo de desconforto, entre imediatamente em contato com o médico que fez sua cirurgia. O texto abaixo é apenas um informativo para quem ainda não operou e não substitui as orientações do seu médico oftalmologista.

Cuidados pós-operatórios

O pós-operatório da cirurgia de pterígio geralmente é acompanhado de algum desconforto. Porém, se o paciente sentir dor por determinados momentos, o próprio cirurgião prescreverá analgésicos para o alívio. Comumente, é utilizado um oclusor (tampão ou tapa olho) no olho operado durante 48 horas, para que não haja riscos de infecções. É importante permanecer o máximo de tempo em repouso nestes dois primeiros dias, de preferência deitado ou sentado em locais com baixa luminosidade. Estão elencados abaixo outros cuidados necessários no pós-operatório de pterígio, para a melhor compreensão. Deve-se:

  • Fazer compressas frias sobre a região operada a cada 30 minutos por três dias (exceto durante o sono);
  • Seguir corretamente as orientações médicas sobre as medicações;
  • Evitar locais com alto nível de poluição e poeira;
  • Não coçar os olhos;
  • Durante o banho, não esfregar os olhos e não deixar cair água, sabão ou xampu sobre eles durante uma semana;
  • Evitar o contato de qualquer coisa com as pálpebras;
  • Proteger absolutamente a região operada de raios solares, ventos e poluição utilizando óculos escuros de boa qualidade e chapéus ou bonés.

Tempo de recuperação depois da cirurgia

Em geral, o tempo da cirurgia é breve, levando de sete a dez dias para que o paciente volte à sua rotina de trabalho. É fundamental a proteção aos olhos contra sol, vento e poluição por pelo menos um mês. Durante este tempo, esportes e atividades físicas, inclusive na água, não devem ser praticados, apesar de se poder caminhar após dez dias. As chances de volta do pterígio depois da cirurgia são altas, por isso, é ideal que todas as recomendações médicas sejam cumpridas, para que essas chances sejam reduzidas. Após a cirurgia, o paciente deve ter acompanhamento oftalmológico por um ano.

Como escolher uma clínica para cirurgia de pterígio?

A clínica escolhida influencia diretamente no sucesso da operação, e pode garantir a boa recuperação do paciente, além de lhe proporcionar mais segurança antes, durante e depois do processo cirúrgico. Veja o que levar em conta quando escolher.

Reputação da clínica: quando vamos contratar um serviço médico é natural que vejamos a reputação da clínica. . Procure clínicas que tenham uma boa colocação no mercado, com clientes satisfeitos e que indicam os seus serviços. Essa informação pode ser encontrada em redes sociais ou sites de reclamações, por exemplo.

Bons profissionais: não só a reputação da clínica é importante, mas também a dos profissionais que atuam ali. Escolha um lugar que possua cirurgiões especializados em pterígio e/ou especialistas em córnea e doenças externas oculares.

Localização e preço: esses fatores não devem ser os de maior peso na escolha, mas também têm sua importância. Uma clínica com boa acessibilidade dá mais conforto ao paciente. Preços acessíveis e que se adequem ao bolso permite que o paciente tenha o tratamento necessário sem que suas outras despesas sejam muito comprometidas.

A Central da Visão tem parceria com clínicas renomadas que, além de possuírem boa reputação e profissionais qualificados, são localizadas próximas a estações de metrô e oferecem tratamentos ao pterígio e a outras doenças oftalmológicas a preços acessíveis. Para receber preços e mais informações clique aqui ou ligue 0800-608-2130.

O pterígio pode voltar?

Sim, o índice de pterígio recidivado, ou seja, que volta após o processo cirúrgico, ainda é alto, e por isso os métodos vêm sendo estudados e aperfeiçoados. Quando são feitas cirurgias simples (as chamadas “raspagens”), a recorrência (a volta do pterígio) é mais comum, com chances de 50% de volta. Já com a cirurgia mais elaborada, em que a área afetada é coberta, as chances de volta caem para menos de 25%. Caso a doença volte, é possível fazer uma nova cirurgia de pterígio.

Preços e condições da cirurgia de pterígio

A Central da Visão é uma empresa de impacto social positivo na área de saúde. Oferece cirurgias de pterígio mais acessíveis em hospitais e clínicas particulares de excelência

Entenda como são os preços e condições da cirurgias oferecidas pela Central da Visão:

Consulta e cirurgia de pterígio com médicos especialistas

A 1ª consulta tem valor mais acessível e já é feita com um cirurgião especialista em pterígio.

Cirurgias de pterígio mais acessíveis em clínicas de excelência

Negociamos condições mais acessíveis em clínicas de excelência em cirurgias de pterígio.

Informações transparentes antes da consulta

Formalizamos as informações por telefone, WhatsApp e/ou e-mail para o paciente poder compartilhar com a família.

Preço sem surpresas

Pacote completo com os exames oftalmológicos, a equipe médica, a sala cirúrgica, anestesia, os materiais e as consultas pós-operatórias.

Facilidade e flexibilidade na forma de pagamento

Pague com cartão de crédito, débito ou dinheiro. Parcele em até 10 vezes no cartão de crédito. Se preferir, utilize mais de um cartão.

Consulte um oftalmologista

Ao perceber sintomas semelhantes aos do pterígio, não hesite em procurar um oftalmologista. Ele fará o acompanhamento do crescimento do pterígio e lhe recomendará o melhor tratamento ou cirurgia, se for o caso.

Central da Visão negociou com suas clínicas afiliadas preços mais acessíveis para a consulta e a cirurgia de pterígio. Para receber os preços clique aqui ou ligue 0800-608-2130.

Importante!

Esse texto busca sensibilizar os pacientes a buscarem tratamento oftalmológico. Só o médico oftalmologista é capaz de diagnosticar e indicar os tratamentos e/ou cirurgias mais indicadas. Texto revisado pela Dra.Bárbara Nazareth Parize Clemente, CRM SP: 169506, Título Especialista (RQE): 74181. Médica oftalmologista graduada pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde / PUC-SP, residência médica no Hospital de Olhos Aparecida, subespecialização pelo Instituto da Visão IPEPO.

Caso seja necessária alguma retificação desse conteúdo, por favor, ligue grátis para 0800-608-2130.

 

Copyright PagMed. Todos os direitos reservados.

Termos de Uso - Política de Privacidade

Copyright PagMed. Todos os direitos reservados.

O site da Central da Visão é de propriedade da Pagmed Meios de Pagamento Especializados e Prestação de Serviços Administrativos Ltda. registrada sob o CNPJ 25.186.815/0001-38